Iniciei a pesca com iscas artificiais muito tempo atrás, a mais ou menos quarenta anos. Naquela época não havia Internet, e a troca de informações era através de revistas e encontro com os amigos em lojas de pesca.
De lá para cá muita coisa mudou, e foi grande a evolução e desenvolvimento de novos tipos de iscas artificiais, tanto nacionais como importadas.
Não estive entre os primeiros a usar, já peguei o bonde andando, mas lembro-me das primeiras que comprei, as Rapala, modelo CD7 .
 
O motivo foi uma matéria que li sobre a pescaria do Black Bass, na Cachoeira do França, e foram as primeiras iscas artificiais que tomei contato, usando sempre no sistema de corrico. Quando conheci a Represa de Igaratá, em Santa Isabel, o alvo eram os tucunarés amarelos, e, além das Rapalas CD7, incrementei o tamanho, usando também as CD9.
Nessa pescaria o sistema de pesca era o “pincho”, deixamos o corrico de lado.
Não posso deixa de lembrar que, quando comecei a pinchar ao invés de corricar, ainda na Cachoeira do França, uma isca muito usada era a Hellbender, que afundava bem e fazia grande pressão quando era tracionada. Fazia sucesso na época!
Ah!... Antes que me esqueça, as primeiras artificiais que usei realmente foram as colheres, na pesca do dourado, no Pantanal, no corrico. As marcas e modelos eram a Limpa-Armas, nº1, substituídas depois pelas Stanley nº2.
Depois vieram as pescarias de robalo no canal de Bertioga, primeiro com camarão vivo, na rodada, e, depois, no pincho, usando iscas artificiais. Nessa fase as iscas mais usadas eram as Long A, da Bomber, nos tamanhos 14 e 15, e as Mirrolure, modelos 7MR e 44MR.
 
Nesse meio tempo começaram as pescarias em Itumbiara, que definitivamente nos lançou de vez no maravilhoso mundo das iscas artificiais. Além das Long A 15 e das Mirrolure 44MR e 88MR,
que mais usávamos, duas iscas estavam entre as preferidas, as RED FIN 800 e 900, e as Devil’s Horse, da Smithwick.
Aí chegou a vez das Zaras, e finalmente as Jumping Minnow, que continuam atuais até hoje e são e sempre serão minhas preferidas na pesca do tucunaré, inclusive na Amazônia.
Toda essa minha conversa foi para mostrar minhas preferências ao longo dos anos, e para finalmente chegarmos ao ponto principal, que são as iscas que mais uso hoje em dia na pesca do robalo.
Decidi escrever sobre isso não porque seja um especialista, longe disso, mas porque muita gente me faz essa pergunta.
Existem muitas iscas novas no mercado, e cada dia aparecem mais, cativando e conquistando o pescador, que é quem primeiro é fisgado. Não pensamos como os peixes, mas achamos que sim, e por isso usamos as que mais nos atraem, e, sendo assim, as mais usadas são as que pegam mais peixes, claro. Por isso não existe uma unanimidade, embora exista um certo consenso, cada pescador tem suas preferidas, e, como a cada dia aprecem novos modelos, o que vai valer é o bolso de cada um. Se eu pudesse, comprava cada modelo novo que me atraísse, sem dúvida.
A cada mês faço uma revisão em minhas caixas de pesca para o robalo, sempre fazendo um revezamento entre elas, mas de um modo geral as básicas estão sempre presentes, não abro mão delas.
Utilizo duas caixas de iscas, sendo uma para iscas soft, tipo camarões artificiais, shads, grubs, etc, e outra para plugs. Não gosto de levar muita tralha para uma pescaria, e assim limito a quantidade de iscas do mesmo tipo, escolhendo as cores que me atraem no momento. De modo geral, prefiro as cores que mais se assemelhem aos peixes, como também dou preferência às cores cítricas.
Vamos ver mais detalhadamente o que temos em cada caixa, primeiramente a caixa com plugues:
Dou preferência à pesca com iscas de superfície, e, nesse caso, começamos nossa escalação com os sticks:
Outras iscas que não podem faltar são as Mirrolures, de superfície e sub-superfície. Acho estranho que tenham caído em desuso...
As iscas de meia água são também muito eficientes, e podem salvar a pescaria quando os peixes não estão atacando na superfície. Nossas preferidas:
Levamos ainda as iscas Alie Magnetic e Vibe One como reservas. A Alie Magnetic para o caso de nos depararmos com um cardume de xaréus, pois tem bom tamanho e peso suficiente para um bom arremesso.
Já a Vibe One para pincharmos nos tarpons se os mesmos estiverem ativos.
Essas são basicamente as iscas de meia água que levo, às vezes substituindo algumas por outros tipos, mas via de regra é isso. Ah! Ia me esquecendo... Duas iscas que sempre levo, a RED FIN 900 e a Long A 16 Salt A. A RED FIN 900 para pincharmos naqueles locais especiais que sabemos ser passagem de robalões.
Já a Long A 16 Salt A para o caso de corricarmos, coisa que raramente fazemos. Na realidade, ela foi desenvolvida para pinchos no mar, e compramos para usarmos nas pescarias de arremesso nas pedras nas praias. Mas sempre arrumo um cantinho para levá-la.
Como sugestão, essas abaixo também são iscas muito eficientes, embora eu não tenha em minha caixa de pesca:
Bem, chegamos agora às iscas de profundidade, objeto de nossa segunda caixa de pesca. Confesso que não sou o maior fã desse tipo de pescaria, mas que é eficiente, não resta dúvida, e, às vezes, só mesmo com iscas de fundo para pegar o danado. O interessante é que os jumping Jigs pegam qualquer tipo de peixe, e os camarões com jig head são mais seletivos. Utilizo mais os camarões da Maré, com 13 cm, embora os de tamanho inferior também sejam muito eficientes. Os Jig heads usados são com anzóis 4/0 e 5/0. Os JJ tem peso entre 25 e 30 gramas.
Outra isca muito eficiente é o Jig, e os Jigs da Williamson são muito utilizados na pesca dos tarpons.
Agora, falou em jig falou em ExtremeJigs Flavio Tannus. Recentemente recebemos alguns modelos que acreditamos sejam especiais para a pesca do tarpon, além dos outros predadores, como robalos e xaréus. Iremos testá-los nessa temporada que inicia...
Temos ainda uma grande gama de iscas soft que apresentam bons resultados. Vejam algumas delas:
Bem, pessoal, essa é uma pequena parte do mundo das iscas artificiais para o robalo. Essas iscas traduzem a minha preferência, não está mais certa nem mais errada do que qualquer outra. Se outro pescador fizer sua lista, com certeza será diferente, mas não menos eficaz. Espero pelo menos ter dado uma idéia do que podemos usar na pesca do robalo, principalmente para aqueles que estão se iniciando nessa prática.